Leia ouvindo Photograph – Ed Sheeran

Aprendi que, se houver um elefante na sala, trate de apresentá-lo. Então, apresento o “câncer de mama triplo-negativo”. Esse subtipo de câncer representa cerca de 15% a 20% de todos os casos de câncer de mama no mundo e se destaca por afetar, geralmente, mulheres jovens e ser agressivo.

Essa foi a realidade da minha esposa Micaela e da minha família nos últimos dois anos e ainda é, após a partida dela. Receber a notícia do diagnóstico do câncer não abala só quem porta a doença, mas também amigos e familiares.

Micaela tinha 27 anos quando nos conhecemos e 35 quando recebeu o diagnóstico. Era formada em Psicologia, mas abandonou a carreira para cuidar dos nossos filhos.

Fotografia: arquivo pessoal

Entre o diagnóstico e o dia em que ela partiu foram quase dois anos de tratamento e, ao voltar para casa após o enterro, não tive tempo de chorar, pois meus filhos precisavam jantar e tomar banho.

Não podemos mudar a realidade, temos que resolver como reagir. Não podemos trocar as cartas do jogo, mas podemos mudar a forma como jogar.

Foi muito difícil me ver sozinho com meus filhos. Questões práticas e simples tornaram-se complicadas e agora precisam de planejamento para que aconteçam. A vida não pára esperando que nos adaptemos à nova realidade, ela simplesmente segue e temos que trocar o pneu com o carro andando.

É um esforço diário para ser o pai que ainda tenho certeza que não sou.

Fico incomodado quando as pessoas dizem que o que eu faço é especial, que meus filhos têm sorte de me ter como pai. O mundo pode estar doente, mas o que faço não é especial. É normal. É o que todo pai deveria estar fazendo, cuidando dos seus e dividindo com a mãe as responsabilidades.

Porque não dizem o mesmo para toda mãe? Mães solo, mães que deixam de lado suas carreiras para se dedicarem aos filhos (como fez a Micaela), mães solteiras abandonadas pelos pais de seus filhos. Essas mães são verdadeiras heroínas. Eu não. Sou um cara comum, colocado nesta situação, que perdeu a esposa e está tentando fazer as coisas da melhor maneira possível, querendo e aprendendo a ser um pai melhor a cada dia.

Boa parte do pai que tento ser é graças a Micaela. Devo a ela e aos meus filhos a parte mais legal da minha personalidade hoje. O que algumas pessoas enxergam como algo bom é reflexo deles.

Durante todo o tratamento passei a escrever Cartas para Maria, onde o principal objetivo foi incentivar minha esposa a escrever cartas para nossos filhos

Desde então tenho escrito cartas, bilhetes e afins para minha filha Maria Clara e meu filho Francisco, registrando para que eles leiam em algum momento no futuro.

Foram essas cartas que me trouxeram até o “Cotidiano Dela” e onde passo a compartilhar o que aprendi e ainda aprendo com Micaela e meus filhos.

Meu nome é Rafael Stein, sou pai da Maria Clara, de 7 anos, e do Francisco, 3 anos, e fui casado com a mulher dos meus sonhos.

(Publicado originalmente no Cotidiano Dela)

Compartilhe

About the Author: Rafael Stein

Rafael Stein é pai da Maria Clara e do Francisco, autor do cartasparamaria.com.br no qual escreve cartas e bilhetes para que seus filhos leiam no futuro, coautor do livro "Luto por perdas não legitimadas na atualidade", voluntário na Casa Paliativa, membro do projeto Luto do Homem.

Categorias

Mec

Posts Relacionados

One Comment

  1. ANDRÉA PAIXÃO novembro 28, 2019 at 7:31 am

    Emocionante! Verdadeiro e cheio de sentimentos!

Comments are closed.