“‘Não sou o autor’ são textos que não escrevi e vídeos que não produzi, mas que gostaria de ter sido o autor.
Deixo-os aqui registrados para que eu possa ler novamente em algum momento no futuro.”

O outro lado da saudade | Allan Dias Castro

Voz ao verbo 167 – O outro lado da saudade

As memórias existem
Para nos fazer olhar pra frente
Como se viessem pra avisar:
Ei, esse momento vai passar
E Passou

É possível voltar no tempo
Só é preciso lembrar
Que ao chegar na estação saudade
Não podemos parar.
Nosso roteiro é sentir, se iluminar, seguir

Mesmo, às vezes, não conseguindo
A gente segue sentindo
Porque o amor que fica
É um convite à continuidade:
Vamos atravessar a saudade?

Respire fundo, escolha sua companhia: um nome, uma lembrança
Um lugar da sua infância, a mesma música que ainda arrepia
Revisite cada costume, sinta o perfume
Volte no tempo lembrando daquela amizade,
Sentindo vontade de tudo que tinha à vontade
Os encontros no meio da tarde, risadas sem hora marcada,
As conversas mais complexas ao alcance de um simples telefonema

Sim, se permita que um poema
Te faça voltar ao passado e de olhos fechados
Veja o quanto vocês curtiram o caminho até aqui
Quando chegar na estação saudade não esqueça de repetir
Sentir, se iluminar, seguir
Pronto, pode abrir:
Os olhos, o coração, um sorriso
Volte no tempo sempre que sentir que é preciso
Porque honrar as memórias é resgatar um legado
É um ciclo onde a gente ilumina nosso passado
E nosso presente é iluminado
Se tudo tem um fim, com a dor não é diferente
E não significa que a gente esquece
Porque a dor da perda não perde a força
É a gente que se fortalece

Se você também sentiu que o amor que ficou
É um convite à continuidade,
Você aceitou, se iluminou
E atravessou a saudade

Ouça este poema na voz do poeta Allan Dias Castro:

24

SOBRE O AUTOR:

Allan Dias Castro é poeta e tem a escrita como base para todos os seus projetos, de letras de música a programas de tv. Formado em Comunicação Social pela ESPM-RS, cursou Escrita Criativa na Escola de Escritores de Barcelona, na Espanha.

Gaúcho radicado no Rio de Janeiro, Allan lançou seu primeiro livro, O Zé-Ninguém, em 2014. Suas letras já foram musicadas por grandes nomes, como Roberto Menescal, e ele já declamou seus poemas ao lado de artistas como Oswaldo Montenegro e Marcos Suzano.

Desde 2016, integra o Reverb Poesia (@reverbpoesia), banda que viaja por todo o Brasil apresentando sua mistura de música e poesia falada. Com o Voz ao Verbo, projeto de vídeos com poemas autorais que deram origem a este livro, busca facilitar o acesso do público à poesia.

“Poeta é quem toma liberdades com a língua e o Allan Dias Castro faz isso com maestria. Sua poesia, sua prosa poética, seus epigramas e aforismos – e suas letras de musica – são exercícios de extrema liberdade. E entre o lírico, o satírico e o bem bolado, ele nos leva junto em cada voo.” Apresentação de Luis Fernando Verissimo para “O Zé-Ninguém”, livro lançado em 2014.

Você pode ler mais e conhecer o Allan Dias Castro: allandiascastro.com.br

Compartilhe

About the Author: Rafael Stein

Rafael Stein é pai da Maria Clara e do Francisco, autor do cartasparamaria.com.br no qual escreve cartas e bilhetes para que seus filhos leiam no futuro, coautor do livro "Luto por perdas não legitimadas na atualidade", voluntário na Casa Paliativa, membro do projeto Luto do Homem.

Categorias