Simplesmente | Allan Dias Castro

“‘Não sou o autor’ são textos que não escrevi e vídeos que não produzi, mas que gostaria de ter sido o autor.
Deixo-os aqui registrados para que eu possa ler novamente em algum momento no futuro.”

VOZ AO VERBO 111 – simplesmente

Quando a gente se acostuma a ficar em silêncio por achar que vai dizer o óbvio ou, sei lá, por medo de se repetir a gente pode perder a chance de falar exatamente o que outro precisava ouvir.

O mais simples às vezes é mais complicado de dividir porque quando é da boca para fora é mais do que falar é sentir.

Só que guardar um sentimento bom é sufocar um coração que já não está cabendo em si.

E ter coragem de se expressar é como abrir uma porta de um cofre que a gente leva aqui dentro sei lá com quantas chaves uma é para pegar aquele impulso de dizer simplesmente: “oi eu senti tua falta” e deixar sufocado.

E outra chave é para deixar trancado o desejo de dizer:

“você faz a diferença na minha vida”

“obrigado”

Ou a clareza de um:

“me desculpe, eu estou errado”

Ou “eu só confio em mim pelo fato de um dia você ter confiado”.

E sei lá quantas chaves são necessárias para manter o peito apertado de tanto “eu te amo” guardado em segredo.

E repara de quem a gente tem medo dos nosso melhores amigos, nossos pais, da pessoa que está do nosso lado.

É por isso que dizer o simples é não deixar que essa rotina nos engula ou que o óbvio nos intimide.

A gente aprendeu que ganha mais quem acumula mas tem coisas que só tem valor quando a gente divide.

Então para que tudo de bom ai dentro desse cofre não vire arrependimento saia da dúvida do silêncio para a clareza da simplicidade e mude o hábito de fica na vontade de expressar um sentimento por ficar à vontade de dizer o que sente.

É isso, apenas fale simplesmente.

 

Ouça este poema na voz do poeta Allan Dias Castro:

SOBRE O AUTOR:

Allan Dias Castro é poeta e tem a escrita como base para todos os seus projetos, de letras de música a programas de tv. Formado em Comunicação Social pela ESPM-RS, cursou Escrita Criativa na Escola de Escritores de Barcelona, na Espanha.

Gaúcho radicado no Rio de Janeiro, Allan lançou seu primeiro livro, O Zé-Ninguém, em 2014. Suas letras já foram musicadas por grandes nomes, como Roberto Menescal, e ele já declamou seus poemas ao lado de artistas como Oswaldo Montenegro e Marcos Suzano.

Desde 2016, integra o Reverb Poesia (@reverbpoesia), banda que viaja por todo o Brasil apresentando sua mistura de música e poesia falada. Com o Voz ao Verbo, projeto de vídeos com poemas autorais que deram origem a este livro, busca facilitar o acesso do público à poesia.

“Poeta é quem toma liberdades com a língua e o Allan Dias Castro faz isso com maestria. Sua poesia, sua prosa poética, seus epigramas e aforismos – e suas letras de musica – são exercícios de extrema liberdade. E entre o lírico, o satírico e o bem bolado, ele nos leva junto em cada voo.” Apresentação de Luis Fernando Verissimo para “O Zé-Ninguém”, livro lançado em 2014.

Você pode ler mais e conhecer o Allan Dias Castro: allandiascastro.com.br

Compartilhe

About the Author: Rafael Stein

Rafael Stein é pai da Maria Clara e do Francisco, autor do cartasparamaria.com.br no qual escreve cartas e bilhetes para que seus filhos leiam no futuro, coautor do livro "Luto por perdas não legitimadas na atualidade", voluntário na Casa Paliativa, membro do projeto Luto do Homem.

Categorias

Mec

Posts Relacionados