sonhos elefantes | Allan Dias Castro

“‘Não sou o autor’ são textos que não escrevi e vídeos que não produzi, mas que gostaria de ter sido o autor.
Deixo-os aqui registrados para que eu possa ler novamente em algum momento no futuro.”

sonhos elefantes | Allan Dias Castro

Quem realmente quer muito alguma coisa há muito tempo e ainda não conseguiu realizar com certeza já ouviu que é importante saber a hora de parar, entender o momento de desistir.

Mas eu entendi  que é preciso parar de pensar em desistir a todo momento.

Porque só a gente sabe a força do nosso sentimento.

E para aquele que só perde o sono pelo seu sonho é sempre cedo.

E alguns sonhos são tão grandes que não cabem no nossos medos.

Nos dos outros, muito menos porque são imensos.

São sonhos elefantes que incomodam que nos fazem não caber nos limites que que a gente vivia antes.

Tem aquela história de que quando o elefante é preso por uma corrente muito cedo, quando ele cresce, ele para de tentar sair por mais que esteja preso em um barbante ele aprendeu a desistir.

Eu sempre penso nisso quando identifico uma pessoa com potencial enorme com ideias grandiosas, com um plano
gigante preso pelo medo por um barbante

Ela só precisava lembrar da força que tem.

E trocar a dúvida do “será”? Pela certeza do “vai ser”

O momento de parar para quem sabe onde quer chegar é quando chega porque nada te para.

Por mais que muitas vezes tentem enjaular ou domesticar esses sonhos elefantes.

E quantas vezes até os erros, as dúvidas, os fracassos bota uma prova o sonho que você tem?

Mas quanto mais você quer algo menos precisa provar alguma coisa para alguém.

Porque o sonho é teu.

E não é só o que você faz.

Ele te faz ser o que você é.

Por isso, mais do que ter é preciso ser esse sonho para se tornar seja lá o que você quiser.

É isso que traz aquele sentimento de não caber em si quando você é só o que acredita.

Para não desistir de si mesmo deixa o sonho ser maior que tudo o que te limita.

Ouça este poema na voz do poeta Allan Dias Castro:

SOBRE O AUTOR:

Allan Dias Castro é poeta e tem a escrita como base para todos os seus projetos, de letras de música a programas de tv. Formado em Comunicação Social pela ESPM-RS, cursou Escrita Criativa na Escola de Escritores de Barcelona, na Espanha.

Gaúcho radicado no Rio de Janeiro, Allan lançou seu primeiro livro, O Zé-Ninguém, em 2014. Suas letras já foram musicadas por grandes nomes, como Roberto Menescal, e ele já declamou seus poemas ao lado de artistas como Oswaldo Montenegro e Marcos Suzano.

Desde 2016, integra o Reverb Poesia (@reverbpoesia), banda que viaja por todo o Brasil apresentando sua mistura de música e poesia falada. Com o Voz ao Verbo, projeto de vídeos com poemas autorais que deram origem a este livro, busca facilitar o acesso do público à poesia.

“Poeta é quem toma liberdades com a língua e o Allan Dias Castro faz isso com maestria. Sua poesia, sua prosa poética, seus epigramas e aforismos – e suas letras de musica – são exercícios de extrema liberdade. E entre o lírico, o satírico e o bem bolado, ele nos leva junto em cada voo.” Apresentação de Luis Fernando Verissimo para “O Zé-Ninguém”, livro lançado em 2014.

Você pode ler mais e conhecer o Allan Dias Castro: allandiascastro.com.br

Compartilhe

About the Author: Rafael Stein

Rafael Stein é pai da Maria Clara e do Francisco, autor do cartasparamaria.com.br no qual escreve cartas e bilhetes para que seus filhos leiam no futuro, coautor do livro "Luto por perdas não legitimadas na atualidade", voluntário na Casa Paliativa, membro do projeto Luto do Homem.

Categorias