Francisco – Significado

Significa “francês livre”, ou “aquele que vem da França”.

O nome Francisco tem origem no latim Franciscus, que veio do germânico Frank, que quer dizer “franco”, mais o sufixo isk, que denota nacionalidade. Franco significa “livre”, por isso a tradução do nome Francisco é “francês livre”.

Francisco – Origem Histórica

A primeira ocorrência do nome Francisco aconteceu no século XIII. Estando na França quando o filho nasceu, e como era admirador desse país, um homem italiano da cidade de Assis resolveu mudar o nome do filho de Giovanni, variante italiana de João, para Francesco. Este menino veio a ser São Francisco de Assis.

Personalidades Históricas

São Francisco de Assis

São Francisco de Assis foi canonizado dois anos depois da sua morte. O santo ficou conhecido principalmente por ter renunciado à riqueza mundana e se ter dedicado aos mais pobres, bem como pelo cuidado com os animais e com a natureza, tornando-se futuramente o padroeiro dos animais.

Em 1209 fundou a Ordem dos Frades Menores, mais conhecida como Ordem dos Franciscanos, que prega principalmente a humildade através de uma vida mais simples possível e a pregação do Evangelho.

Em razão da popularidade de São Francisco de Assis, o nome foi difundido pela Europa Ocidental durante a Idade Média, chegando a nomear pelo menos dois reis franceses no século XVI.

Francisco Cândido Xavier

Mais conhecido como Chico Xavier (Pedro Leopoldo, 2 de abril de 1910 — Uberaba, 30 de junho de 2002), foi um médium, filantropo e um dos mais importantes expoentes do Espiritismo. Seu nome de batismo, Francisco de Paula Cândido, em homenagem ao santo do dia de seu nascimento, foi substituído pelo nome paterno de Francisco Cândido Xavier logo que psicografou os primeiros livros, mudança oficializada em abril de 1966, quando chegou da sua segunda viagem aos Estados Unidos. Chico Xavier psicografou mais de 450 livros, tendo vendido mais de 50 milhões de exemplares e sendo o escritor brasileiro de maior sucesso comercial da história, mas sempre cedeu todos os direitos autorais dos livros, em cartório, para instituições de caridade. Também psicografou cerca de dez mil cartas, nunca tendo cobrado algo ao destinatário. Seus empregos foram vendedor, tecelão e datilógrafo.